Adriano de Oliveira

Homenagem ao Cine Revista – 11 Anos Online!

cinerevista

Adriano de Oliveira é um cinéfilo convicto. Me lembro que o conheci em alguma tarde de 2008, trabalhando na locadora Espaço Vídeo, aqui em Porto Alegre. Aliás, se tirei proveito de algo neste trabalho foi a companhia, amizade e conversa com diversas pessoas que sentem a mesma atração que eu pelo cinema. Adriano, figura muito cativante, logo me proporcionou os melhores papos e piadas sobre cinema que eu teria naquele lugar. Amizade esta que se estendeu por esses 6 anos entre contribuições solidárias (o apoio fundamental na reabertura da sala de cinema Norberto Lubisco), participações minhas no Cine Revista em algumas listas, e uma participação mais do que especial do Adriano aqui no blog (confira a excelente crítica sobre um dos filmes mais inovadores do cinema A Paixão de Joana d’Arc). 

Com mais de uma década disponibilizando ensaios, críticas, listas e informações sobre cinema no Cine Revista, Adriano chega à 10ª edição das Listas de Melhores e Piores Filmes do Ano. Um feito notável neste mundo tão inconstante da internet, em que sites e blogs desaparecem tão rápido quanto aparecem. E a história do Cine Revista pode ser comparada a de um diretor autoral, que sem grandes produtores, realiza a sua obra-prima no dia-a-dia, e na paixão de viver trabalhando com cinema.

Vida longa ao Cine Revista, e a todos que como o Adriano, mantém este fascínio pelo cinema escrito pelas loucas páginas da internet.

Abaixo, o link para a 10ª Edição das Listas, e um baita especial realizado pelo site com os melhores filmes da década passada:

10ª Edição Listas do Ano

Os Melhores Filmes da Década:

– Alexandre Mesquita – Lista

– Adriano de Oliveira – Lista

– Luiz Santiago – Lista

– João Pedro Fleck – Lista

– Adriana Androvandi – Lista

– Ricardo Rangel – Lista

– Miguel Maineri – Lista

– Ricardo Lubisco – Lista

Anúncios

A Paixão de Joana d’Arc

joana_darc

É necessário ver – ou rever – um dos maiores filmes, não apenas do Cinema Mudo, mas da Sétima Arte como um todo: A Paixão de Joana d’Arc (1928), do dinamarquês Carl Theodor Dreyer (1889-1968). Uma oportunidade rara de se fazer isso em tela grande é conferi-lo na mostra Grandes Personagens Femininos da História do Cinema, que começou ontem (terça-feira, 5 de março) e segue até o próximo dia 10, no Cine Bancários (Rua General Câmara, 424 – Centro Histórico de Porto Alegre).

Trata-se de uma experiência interessante não apenas pela importância que esse título representa, porém inclusive pelo modo como é exibido: sem banda musical enxertada, ele se apresenta mudo tal qual foi gerado. Quando assistido coletivamente, torna-se um evento insólito: apenas a respiração e as expressões sonoras de emoção da plateia são ouvidas, pois o filme é totalmente silencioso.

E nem precisaria haver eloquência maior. Mesmo econômica no uso de intertítulos, a película fala através de cada cena pelo uso poético da linguagem do cinema, tornando a sua mensagem universal, independentemente de país, credo ou época, e exibindo indiscutível beleza.

A atuação de Maria (também chamada de Renée e aqui creditada como Melle) Falconetti como a personagem-título é simplesmente antológica e, desde sempre, um marco. Tão sublime que parece estar em transe o tempo todo.

A Paixão de Joana d’Arc se mostra um filme revolucionário em sua gramática, uma vez que faz extenso emprego de close-ups na narrativa, bem como angulações e movimentos de câmera inusitados para o seu tempo, tornando-se assim um expoente da vanguarda cinematográfica.

O longa se acha repleto de simbologias e, a cada que vez que se assiste a ele, acaba por revelar novas camadas de significado. A sequência final, que une o martírio de Joana d’Arc a uma insurreição popular duramente reprimida, é a apoteose delirante e deleitante de uma tão genuína quanto singular aula de Cinema.

* Texto publicado originalmente no site Cine Revista

passionofjoanofarc

A PAIXÃO DE JOANA D’ARC (La Passion de Jeanne d’Arc, França, 1928)

Direção: Carl Theodor Dreyer.

Elenco principal: Melle Falconetti, Eugene Silvain, Antonin Artaud, Michel Simon, Maurice Schutz, André Berley, Louis Ravet.

NC: 10     NP: 10     IMDB: A Paixão de Joana d’Arc

Por: Adriano de Oliveira (Coordenador do site Cine Revista e membro da Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul, e da Associação Brasileira de Críticos de Cinema)

Convidados

Não é de hoje que o meu blog recebe convidados. Não foram muitos, mas os que participaram fizeram isso com muito carinho, o que é o mais importante de tudo. Aliás, o blog só existe por iniciativa minha juntamente com outra pessoa, o Jacson Soares (Artista Plástico, Tatuador, Desenhista, Cartunista, e claro, Cinéfilo), que há algum tempo deixou a escrita um pouco de lado.

E é uma meta minha para o Blog receber cada vez mais convidados, assim como começar a realizar textos sobre temas especiais, filmografia de diretores e etc.

E tenho o maior orgulho em dizer que o convidado mais novo do Uma Dose de Cinema, é o meu amigo e crítico de cinema, Adriano de Oliveira. O Adriano tem um site muito conceituado, o Cine Revista, no qual escreve críticas extremamente técnicas e ao mesmo tempo, muito pessoais em certos momentos. É uma ótima pessoa  que tive a felicidade de conhecer e que inaugura hoje então, uma colaboração ocasional com o Uma Dose de Cinema, e que eu espero que dure por muito tempo!

 

Cine Revista – 9ª Edição das Listas de Melhores e Piores Filmes do Ano

a-invençao-de-hugo-cabret

Mantendo uma tradição respeitável, as listas de Melhores e Piores Filmes do Ano do site Cine Revista, comandado pelo estimadíssimo Adriano de Oliveira, chegam a sua 9ª edição.

Adriano, um queridão que tive a felicidade de conhecer quando trabalhava na Espaço Vídeo (uma das poucas coisas boas da minha experiência lá), me convidou novamente para participar das Listas. Pela 3ª vez participo, não opinando como anteriormente, mas somente citando os melhores e piores do ano. Para quem quiser conferir segue o link: Listas do Ano Cine Revista 2012.

Novamente gostaria de agradecer ao Adriano pelo convite e reafirmar que acompanho e gosto muito do Cine Revista, que é um dos mais tradicionais sites de crítica cinematográfica aqui do Rio Grande do Sul. Feito por pessoas que são verdadeiramente apaixonadas pelo cinema e levam o site como sua segunda profissão.

Adriano, você é mais do que convidado a escrever um artigo, crítica, ou qualquer texto sobre cinema aqui no meu modesto blog.

Adriano além de Coordenador do site, é membro da Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul, e integrante do Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema).