Casa de Cultura Mário Quintana

Sala Norberto Lubisco reabre!!

É com muita, mas muita felicidade que escrevo este Post. A Sala Norberto Lubisco reabriu. Após 6 meses fechada, e 4 em reforma, a Casa de Cultura Mário Quintana promoveu nesta quarta-feira às 11h da manhã, uma sessão fechada para imprensa e convidados com 3 Curtas Metragens fotografados por Norberto Lubisco e dirigidos pelo seu amigo e parceiro de mais de duas décadas, Antônio Carlos Textor. A promessa foi cumprida, e eu acho que só tenho a agradecer a todos que se manifestaram e ajudaram de alguma forma. Em especial para o radialista Marcelo Noah, o diretor da CCMQ, Luiz Armando Capra Filho, o meu amigo coordenador do Site Cine Revista, Adriano de Oliveira, o coordenador da Cinemateca, Ivo Czmanski e o atual Secretário de Cultura do Estado, Cézar Prestes. Noah foi quem jogou o assunto na mídia e usou c0mo pôde o seu veículo de comunicação para divulgar que a sala havia sido fechada sem nenhum comunicado. E o diretor da Casa, o Capra, sempre foi super atencioso e prestativo em todas as vezes que manteve contato comigo.

Atenção! Estréia na Sexta Feira uma programação imperdível na Sala Norberto Lubisco. Serão apresentados na sala  filmes de Federico Fellini (Noites de Cabíria), Ettore Scola (Concorrência Desleal), e Luchino Visconti (Belíssima). Em três sessões diárias. Em PELÍCULA. Não é como as sessões na Sala Redenção, que sempre passa ótimos filmes clássicos, mas em DVD. Quantas vezes você tem a chance de ver estes filmes em película? Pois então, é uma chance de ouro.

Eu li em um Twitter, e repito a frase aqui pois é absolutamente verdade.

Não basta reclamar, agora que a sala reabriu temos que FREQUENTAR!

Este Post foi apenas para esclarecer o desfecho deste caso da sala Norberto Lubisco.

Até mais! 🙂

Anúncios

Obras na Sala Norberto Lubisco

Em contato com o diretor da CCMQ, Luiz Armando Capra Filho, nesta terça-feira, foi confirmado que as obras de readequação da sala já iniciaram. A previsão do diretor da Casa, é de que em no máximo 45 dias a Sala volte a funcionar. Pretendo ir lá para tirar fotos e quando isso acontecer, posto aqui.

Mais uma vez o meu muito obrigado a todos que ajudaram!

🙂

Champagne em meio ao caos

Ok. Até agora eu divulguei e falei muito bem da realização do 6º Festival de Verão do RS de Cinema. E com razão, pois em vias culturais, este evento é de grande valor. Mas vou levantar dois pontos em questão que não podem passar despercebidos.

1º – Existe uma obra de reforma da fachada da Casa de Cultura Mário Quintana, que segundo informações, está sendo realizada há mais ou menos 4 ANOS. E não é uma obra em que o projeto está em discussão, ou foi aprovado e estão esperando para começar a obra, não. A obra começou a ser realizada e foi interrompida na metade do processo (pelo estado das coisas parece nem ter chegado a metade) e está abandonada lá na Travessa dos Cataventos. E isso está lá para ser visto por quem quiser. Há 4 ANOS. O que acontece que a obra nunca é finalizada? E sempre que passo por lá, nunca vejo alguém trabalhando nela. As vigas de madeira estão espalhadas por toda a fachada da Casa, estragando a beleza do Espaço Cultural.

E então chegou o momento de realização do 6º Festival de Verão. E o que acontece? A Secretaria de Cultura realiza o evento de abertura na Travessa dos Cataventos, em sessão gratuita ao público, entre uma e outra viga de madeira. As vigas estão lá todo dia para quem quiser conferir, ocupando grande espaço das laterais (calçadas) da Travessa dos Cataventos, além de ocupar um bom espaço também próximo ao café que é freqüentado todos os dias por uma boa centena de pessoas. Será que eles acham que ninguém se importa com isso? Talvez muitas pessoas não, mas eu me importo. Pela Sala Norberto Lubisco ficar naquele espaço, e mais ainda, por eu freqüentar a Casa de Cultura desde que tinha 6 anos de idade.

2º – O coquetel de abertura do Festival realizado no 6º andar da Casa de Cultura foi simples, mas muito bem feito. Bem no meio do salão ficava uma mesa grande, aonde dois garçons serviam aos convidados champagne e água de coco. Garçons também circulavam pelo ambiente servindo os convidados. E óbvio que muitas pessoas fumavam. As janelas do espaço estavam todas abertas, então os fumantes se dirigiam para lá para dar uma fumadinha. Até aí tudo certo. O problema foi que assim como as outras pessoas que fumavam ali, eu não vi cinzeiros disponíveis. Então o que as pessoas faziam? Elas fumavam o seu cigarrinho ali na janela, jogando as cinzas pela janela (aonde pessoas caminhavam lá na Travessa), e apagavam os cigarros (tchãn tchãn) no PRÉDIO TOMBADO DA CASA DE CULTURA. Isso mesmo. Quando eu fui até a janela, havia 5 ou 6 cigarros apagados e cravados nas paredes do lado de fora da Casa de Cultura. O evento que tem o patrocínio do BANRISUL, GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, FUNDO NACIONAL DE CULTURA E SECRETARIA DE CULTURA DO ESTADO, não tinha verba suficiente para espalhar cinzeiros pelo lugar? Ou pelo menos orientar os seguranças para tomar alguma providencia ao ver um ato como este sendo realizado? É… Não dá pra entender. Ta aí a frase que eu sempre falei quando me dirigia a Sala Norberto Lubisco: Apesar da boa vontade de se ter um Festival bacana como esse em Porto Alegre, a situação é de DESCASO. Tanto pelas vigas, quanto pelos cinzeiros.

Eu como fumo sempre que bebo álcool, coloquei as cinzas num potinho vazio de água de coco, e joguei tudo fora quando desci para a Travessa, a fim de assistir ao filme de abertura.

Assim como eu fiz questão de elogiar o evento com a sua programação e workshops, me vejo no direito de reclamar deste descaso que pode passar despercebido por alguns, mas no fim quem sai perdendo é a imagem da cidade.

6º Festival de Verão do RS de Cinema Internacional

Pelo sexto ano consecutivo filmes de todo o mundo se reunirão em Porto Alegre e em mais 8 cidades do interior do RS no 6º Festival de Verão do RS de Cinema Internacional. O maior festival de cinema internacional realizado no Rio Grande do Sul abre a edição 2010 com a obra inovadora dos diretores Marcelo Gomes (Cinema, Aspirinas e Urubus) e Karin Aïnouz (Céu de Suely), Viajo Porque Preciso, Volto Porque te Amo. A sessão de abertura, como em todos os anos anteriores, será realizada ao ar livre e pelo segundo ano consecutivo no vão central da Casa de Cultura Mário Quintana.

De 11 a 18 de março, o festival vai trazer para as telas da Capital e do interior do estado títulos inéditos do cinema mundial. Nomes de consagrados diretores – como Woody Allen, com seu inédito no Brasil Tudo Pode Dar Certo – se misturam a estreantes – como Tiaraju Aronovich, de Sem Fio – e conferem uma grande diversidade de obras, o que já é uma das marcas do festival.

O evento ainda aproxima os amantes da sétima arte de profissionais de renome. As atividades paralelas, como aulas magnas e workshops, todos com entrada gratuita, vão integrar o público com diretores, atores e roteiristas, proporcionando debates entre o público e aqueles que fazem cinema.

O 6º Festival de Verão do RS de Cinema Internacional tem patrocínio do Banrisul, Corsan e Fundo Nacional da Cultura e é promovido pela Panda Filmes.

Fonte: http://festivalveraors.com.br/

Relatório de Readequação da Sala

IPHAE entrega relatório de readequação da Sala Norberto Lubisco
05/03/2010 15:59

A Secretaria de Estado da Cultura recebeu nesta quinta-feira, 04/03, o relatório do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE) sobre as providências que serão necessárias para a readequação e reabertura da Sala Norberto Lubisco. O local foi temporariamente fechado por indicação do Corpo de Bombeiros de Porto Alegre, pois apresenta deficiências na rota de fuga, o que representa perigo em caso de incêndio.

De acordo com a Diretora Geral da pasta, Juliana Erpen, o próximo passo será a contratação dos serviços para o início das obras de readequação dentro dos critérios de restauração. “Estamos trabalhando intensivamente para resolver essa situação o mais breve possível. É importante ressaltar que as outras salas da Cinemateca, que funcionam na Casa de Cultura Mario Quintana, continuam abertas ao público e com a programação normal”, explica Juliana.

Fonte: http://www.cultura.rs.gov.br/

Ok. Ótimo saber que AGORA a Secretaria de Cultura do Estado dá informações sobre a sala Norberto Lubisco para as pessoas. Gostaria que tivessem revelado o conteúdo deste relatório. Vou procurar me informar se é possível que essa informação seja pública. Se alguém souber, por favor poste nos comentários.

Caderno de Cultura – Zero Hora 06/03/2010

O sentimento é de que a missão foi bem feita. Os atos de “vandalismo” contra a nossa cultura foram reconhecidos e estão cada vez mais sendo assunto de pauta.  O Caderno de Cultura na Zero Hora deste sábado, 06 de março, publicou uma matéria extensa com a situação da atual cultura em Porto Alegre, além de uma entrevista com a Secretária de Cultura, Mônica Leal. Vou reproduzir a seguir um pequeno trecho, e quem quiser ver o resto da matéria, pode acessar a edição online no site da Zero Hora: www.clicrbs.com.br/zerohora

“Não que tenham sido notícias bombásticas, mas o fechamento da Sala de Cinema Norberto Lubisco e a demissão do historiador Voltaire Schilling da direção do Memorial do Rio Grande do Sul, em fevereiro, parecem ter mobilizado a assim chamada comunidade cultural gaúcha.

Em manifestações públicas ou restritas, mas de tom não raro veemente e em quantidade como não se via há tempos, as reações a esses episódios lançaram holofotes sobre o papel da Secretaria do Estado da Cultura (Sedac). Pressão que deve recair não apenas sobre a atual titular da pasta, Mônica Leal, mas sobre quem a suceder a partir das próximas semanas, quando ela deixa o cargo para concorrer a deputada estadual.

A lembrar: não se viam cobranças tão fortes direcionadas à Sedac desde que, em 2007, rumores deram conta de que a governadore recém-empossada Yeda Crusius extinguiria a Sedac e, assim, uniria a Cultura à Secretaria do Turismo. Algo mudou nesse período? Os antecessores de Mônica estão entre os críticos de seu trabalho. Mas o “marasmo da cultura” – expressão usada por ambos em conversa com ZH – é pontual e localizado ou resulta de uma sucessão de políticas descontínuas e do próprio desprestígio da área no imaginário do gaúcho, ou, no mínimo, dos administradores do Estado?”        

Não esquecendo da grande atenção e cobertura que o Blog Mundo Livro está dando para o caso. Neste sábado já foram publicadas novas postagens e também, a entrevista completa com a Secretária Mônica Leal.

Leiam, pessoas!

Proteste JÁ [4]

Enquanto a Sala Norberto Lubisco não for reaberta, a cidade fica com um espaço cinematográfico a menos para ser frequentado. Você gostava daquela sala? Quer que ela seja reaberta o mais rápido possível e que isso não caia no esquecimento do Governo, assim como o Araújo Viana? Então, proteste JÁ!

Tire uma foto na frente da sala Norberto Lubisco fazendo o sinal de negativo com a mão, e poste no seu Orkut, Blog, etc. Ou mande para madknow@gmail.com que será publicado aqui!

A quarta pessoa a protestar contra o fechamento da Norberto Lubisco, é o Professor de História, Eduardo Marques.